Artigo publicado na revista Saúde é vital de setembro, confira a participação do Dr. Paulo Camiz falando sobre triglicérides.

Essa gordura congestiona as artérias de muita gente e está por trás de infartos e outras ameaças. No entanto, é bem menos conhecida que o colesterol — apesar de mais controlável com ajustes no estilo de vida, como maneirar em pães e massas. Chegou a hora de mudar esse panorama.

…É muito pelo potencial engordativo que cerveja, vodca e vinho devem ser consumidos com moderação para não disparar os triglicérides. Só que, nessa história, há outro detalhe. “O abuso do álcool inibe enzimas que os quebram no fígado”, diz a cardiologista Viviane Rocha Giraldez, diretora do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Assim, eles circulam por mais tempo — e provocam estragos extras. Na contramão, o exercício esvazia os estoques de triglicérides. “Seus componentes são usados como fonte de energia”, ensina a fisiologista Marisa Passarelli, do Laboratório de Lípides da Universidade de São Paulo. “A atividade física ainda melhora o trabalho daquelas enzimas que quebram gordura”, completa. Não à toa, práticas aeróbicas como pedalar e trotar estão relacionadas a uma dedução de 20% na carga de triglicérides. Se esses ajustes são valiosos para a população em geral, imagine entre quem já tem o coração sob ameaça. “Indivíduos com diabete precisam fazer de tudo para não ultrapassar os 150 mg/dl”, exemplifica Paulo Camiz, geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo…