Noctúria é o termo usado pelos médicos para se referir ao sintoma de diurese noturna. Algo que pode parecer simples, mas é extremamente complexo e pode ter um impacto enorme na saúde tanto de jovens como de idosos.

As causas são múltiplas e envolvem diversos sistemas. E, consequentemente, os tratamentos também precisam de uma abordagem abrangente.

Abaixo algumas causas:

  • Diabetes: palavra de origem grega que quer dizer sifão, porque o indivíduo urina demais. O tratamento é a compensação do diabetes.
  •  Insuficiência cardíaca: o sangue é filtrado principalmente à noite e isso aumenta a produção de urina nesse período. Para tratar, é preciso ajuste das medicações cardiológicas.
  • Edema de membros inferiores: também gera uma maior produção de urina no período noturno. Tratamento direcionado a causa das varizes e de doenças que levem a retenção de líquido.
  •  Bexiga hiperativa: muito comum entre a população idosa e implica numa diurese constante e de baixa quantidade. A ideia é a mesma a de uma infecção urinária, só que a infecção responde a antibióticos e a bexiga hiperativa envolve uma série de abordagens nem sempre medicamentosas.
  • Apneia do sono: causada por alterações anatômicas das vias aéreas e pelo excesso de peso. Tratamento envolve perda de peso

Enfim, muitas outras causas poderiam ser citadas, mas a conclusão é a mesma. Esse é apenas um exemplo de sintoma que não poderia ser tratado por um único especialista. A não ser que ele tenha a capacidade de transitar entre especialidades. Quem seria esse profissional? O seu clínico-geral ou geriatra.

Matéria com o Dr.Paulo Camiz publicada na revista Saúde da Mulher.