Usar medicação adequada logo no início da doença também ajuda a reduzir os sintomas.

*orientação: Veja mais sobre a gripe no site do Ministério da Saúde, que traz os diferentes tipos de influenza e tem dicas sobre vacinação para quem vai viajar: Link

A gripe veio com tudo neste início de ano e já preocupa especialistas na capital. A melhor forma de amenizar a doença é tomar a medicação assim que começarem os sintomas. E a vacinação é o único jeito de reduzir os riscos de contrair a doença.

“As drogas são mais efetivas nas primeiras 24 horas e até 48 horas após o início dos sintomas. Essas mesmas drogas são efetivas em profilaxia [prevenção]”, afirma Jacyr Pasternak, infectologista do Hospital Albert Einstein.

Os sintomas mais graves da gripe ocorrem em obesos, grávidas, idosos, pessoas com doenças pulmonares, enfisema, asma brônquica e crianças com desnutrição. “O porquê não está totalmente claro, nem está claro também por que pessoas aparentemente normais têm influenza [gripe] grave”, diz Pasternak.

Segundo o geriatra Paulo Camiz, a gripe tende a ser mais perigosa em idosos e em pessoas debilitadas porque, além de descompensar a doença de base, tende a durar mais e a causar um dano maior.

Riscos em idosos

riscos-idosos

“Possibilita muitas vezes a infecção por outros agentes infecciosos [bactérias, por exemplo], que já atuariam num organismo previamente debilitado pela gripe”, afirma. Entre as complicações decorrentes da doença, a mais temida é a pneumonia bacteriana. Infectologista do Hospital do Coração, Guilherme Furtado afirma que tem notado um aumento no número de casos de gripe no pronto-socorro neste ano, mas ainda não sabe o motivo.

“Começou de dez dias para cá, nas últimas duas semanas. Percebemos nas consultas. É um dado preliminar, ainda não dá para saber se haverá um crescimento rápido.” Segundo Furtado, o aumento no número de casos de gripe está normalmente relacionado à chegada do tempo frio, no início do outono. “Neste ano, apareceu mais cedo”, diz.

Vacina

a-vacina

 

a-doenca