Como geriatra, frequentemente vêm à minha presença pacientes com queixas de memória. Frases frequentes: mas isso não é normal com a idade? Estou com medo de tratar-se de doença de Alzheimer…

O que acontece com a memória no envelhecimento normal?

E que características devemos atentar para distinguir o envelhecimento normal de uma doença que deverá ser investigada e tratada?

Em primeiro aspecto a ser analisado é se ocorreu uma mudança no padrão da memória, ou seja, se a pessoa sempre apresentou essas características ou trata-se de algo novo. Isso pode ser percebido pelo paciente ou por alguma pessoa próxima.

Outro ponto importante a ser observado é se a alteração de memória foi suficientemente grave para afetar as atividades de vida diária do indivíduo. Em outras palavras, essa pessoa deixou de fazer algo por conta de seu problema de memória?

Nesse sentido, também faço questão de ressaltar que sintomas comportamentais, como agressividade, delírios de perseguição, alucinações e distúrbios do sono e alimentação (para mais ou para menos), também podem fazer parte do quadro clínico das chamadas síndromes demenciais (sendo o Alzheimer o principal exemplo). Essas características também devem chamar a atenção para uma doença.

Se você ou alguém que você conhece está com alguma queixa relacionada à memória, não deixe de ir a um médico capacitado. Boa parte dos problemas são controláveis com medicações e os tratamentos disponíveis surtem mais efeito quando iniciados no início da apresentação dos sintomas.