Achei que seria fundamental escrever um texto, que de forma objetiva responda ao que para mim significa a minha razão de viver. Objetivamente: a geriatria nada mais é do que a especialidade médica que cuida das doenças mais prevalentes no envelhecimento e dos desdobramentos dessa fase da vida. O geriatra possui a formação de um clínico geral estando também apto a atender as doenças mais prevalentes desde a idade adulta e uma segunda especialização, nas doenças da terceira idade e nos desdobramentos do envelhecimento.

Quando se refere à pressão alta ou a infarto, logo se visualiza um cardiologista.  Quando se pensa em diabetes ou tiróide, se pensa num endocrinologista. Isso vale para o geriatra em diversas situações

Idade avançada (a partir dos 60 anos e especialmente após os 80 anos) – ainda que eu ouça de muitos colegas: “não sou geriatra, mas boa parte dos meus pacientes tem idade avançada, então eu tenho uma boa experiência com idosos”… Eu poderia retrucar dizendo: “por essa lógica, já que todos os pacientes têm um coração, rim ou pulmão isso faz de todos os médicos cardiologistas, nefrologistas ou pneumologistas…”;

Quando jovem, pelo desejo de prevenir as doenças relacionadas ao envelhecimento. Nada impede a procura desde cedo por orientações sobre como envelhecer de forma saudável. Gosto de dizer que muitas vezes o geriatra se depara com uma situação de final de linha e fica imaginando:

Se esse paciente tivesse feito isso 20 ou 30 anos atrás, a situação hoje seria outra.

A necessidade de visão global. É cada vez mais comum (e criticada) a segmentação excessiva da medicina e da visão do paciente. “tenho pressão alta, diabetes e artrose e um médico para cada doença, não sei qual dele é o meu médico…”. Têm-se muitos médicos e mesmo assim não se sente cuidado. Os grandes temas da medicina (como os exemplificados acima) deveriam ser abordados por todas as especialidades em que faz a clínica geral e a geriatria não é exceção. Geriatras também cuidam destas doenças e só encaminham aos especialistas quando há necessidade.



Doenças relacionadas ao envelhecimento:

  • os distúrbios de memória (e as doenças relacionadas, como o Alzheimer);
  • a incontinência urinária;
  • as quedas, os distúrbios de equilíbrio e tonturas – esse é um dos temas de abordagem mais difícil em toda a medicina que envolve um grande conhecimento dos mais diversos sistemas do corpo humano;
  • a polifarmácia (uso de muitos remédios para diferentes doenças e suas conseqüências) – a cada vez que se inventa um remédio se inventam uma ou mais doenças. Na terceira idade, as mínimas coisas afloram e os efeitos colaterais de medicamentos são freqüentes causas das queixas dos pacientes. O conhecimento profundo de farmacologia é necessário;
  • a imobilidade (conseqüências da limitação física devido a doenças) – as conseqüências sofridas por um paciente com sequela de AVC e que está restrito ao leito, por exemplo;

Percebam que os temas acima se desdobram em inúmeros, tornando esta especialidade extremamente abrangente. A geriatria envolve além da constante necessidade de visão geral e dos grandes temas da medicina, um conhecimento aprofundado das doenças que afetam a terceira idade.

Pela dificuldade, é uma área extremamente apaixonante para quem gosta de medicina. Talvez uma medicina que precise ser e esteja sendo resgatada. Minha paixão!  Minha razão de viver!

O que é a geriatria?

Assista ao vídeo do Dr. Paulo Camiz: