Vacina não causa gripe e protege até mesmo o coração; quanto mais frágil a saúde, maior a importância da imunização

Diferente de um resfriado, gripe é uma doença séria. Todos deveriam, anualmente, tomar vacina contra a influenza para evitar que o vírus entre no corpo e faça estragos. Menores de cinco anos, grávidas e maiores de 60, no entanto, estão mais susceptíveis às consequências negativas da doença, que pode levar à pneumonia e até mesmo à morte. Quanto mais frágil o indivíduo, maior a importância de se vacinar.

É partir dessa constatação que o Ministério da Saúde oferece, a partir desta segunda-feira (04), vacinação gratuita para esse grupo de risco. A campanha de 2015 sofreu atraso por causa da mudança de duas cepas do vírus, que não estavam circulando ano passado.

Alguns mitos, no entanto, fazem com que muitos fujam da vacinação, mas existem boas razões para se vacinar contra a gripe. Saiba quais são elas:

1 – Gripe pode ser grave e levar à morte
O médico sanitarista e responsável pelo setor de vacinas do Laboratório Delboni Medicina Diagnóstica, Ricardo Cunha, explica que a gripe, em muitos casos, pode ser grave. Ela não é apenas um resfriado convencional e traz consequências sérias ao grupo de risco, que são os menores de cinco anos e maiores de 60, além das mulheres grávidas.

“Além disso, pessoas que têm diminuição da imunidade, como quem tem AIDS, quem retirou o baço (ele ajuda na defesa do corpo), quem tem diabetes e usa insulina, além de quem tem problemas de pulmão devem se vacinar”, alerta. A vacinação impede que o vírus atue no corpo e leve a consequências mais graves, como a pneumonia.

2 – O vírus sofre mutação constante e a vacina fica obsoleta
Se você se vacinou ano passado, é preciso repetir a dose em 2015, já que o vírus da gripe tem um poder de mutação bastante elevado. Ou seja, o vírus que estava circulando ano passado é diferente do desse ano, e a vacina antiga não tem mais eficácia. A imunização de 2015 no Sistema Único de Saúde atrasou por causa da mudança de duas cepas do vírus, que não estavam circulando ano passado, explica a pediatra Lucia Bricks. Portanto, quem tomou vacina ano passado não está protegido contra essas mutações.

3 – Gripe pode causar pneumonia viral e bacteriana
O vírus da influenza pode causar a pneumonite viral, explica o pneumologista Francisco Mazon, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, o médico conta que uma infecção por esse vírus pode deixar o pulmão susceptível a infecções bacterianas, causando uma perigosa pneumonia bacteriana.

“São as consequências mais sérias da gripe. Ambas as pneumonias são graves”, conta. Pessoas com imunidade mais baixa são as que sofrem mais, por isso a vacinação fornecida pelo Ministério da Saúde visa o público que é alvo mais fácil do vírus.

Ele conta também que, quando os dois pulmões são acometidos pelas bactérias ou vírus, a doença se chama SARA, ou Síndrome da Angústia Respiratória Aguda, que é a manifestação mais grave da gripe.

Segundo o geriatra do Hospital das Clínicas, Paulo Camiz, alguns dos tipos do vírus da gripe causam problemas respiratórios maiores. “E aí o idoso, que é mais vulnerável, tende a sofrer mais”, alerta.

Matéria publicada no portal Minha Saúde do IG São Paulo